Início Últimas notícias Hong Kong: Protestos continuam e China ameaça com lei de segurança nacional

Hong Kong: Protestos continuam e China ameaça com lei de segurança nacional

1
0

No domingo (24), novos protestos voltaram acontecer nas ruas de Hong Kong e 180 pessoas foram detidas “por participarem numa manifestação ilegal e por conduta desordeira num local público”, informaram as autoridades ao final da noite.

Enquanto aconteciam os protestos, o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês defendeu na Assembleia Popular Nacional, o parlamento chinês, a aplicação sem demoras da nova legislação em Hong Kong, impondo uma nova Lei de Segurança Nacional contra os organizadores dos protestos.

Wang Yi justificou a lei de segurança nacional, que visa proibir a “traição, secessão, sedição (e) subversão”, com os protestos registrados em 2019 em Hong Kong.

“Os atos violentos e terroristas continuam a aumentar e as forças estrangeiras interferiram profunda e ilegalmente nos assuntos de Hong Kong”, referiu o ministro, considerando tratar-se de “uma séria ameaça à prosperidade, a longo prazo” do território.

LEIA TAMBÉM:

Imprensa francesa diz que Bolsonaro é “ditador incompetente” e “volta a dar show”

Mercado financeiro prevê queda de 5,89% no PIB em 2020

Agências dos Correios farão pagamento de auxílio emergencial em junho

O movimento pró-democracia de Hong Kong, vários países e organizações não-governamentais como a Human Rights Watch e a Amnistia Internacional criticaram a intenção de Pequim, argumentando que é um golpe às liberdades da região semiautônoma chinesa. Organizações sindicais e trabalhistas participam dos protestos exigindo melhores condições de trabalho e o fim da repressão aos protestos.

O documento agora apresentado surgiu após repetidas advertências da governo chinês contra a dissidência em Hong Kong, abalado em 2019 por sete meses de manifestações em defesa de reformas democráticas e quase sempre marcadas por confrontos com a polícia.

Hong Kong regressou à China em 1997 sob um acordo que garantia ao território 50 anos de autonomia e liberdades que são desconhecidas no resto do país, de acordo com o princípio “um país, dois sistemas”.

O anúncio de Pequim é uma tentativa para conter uma nova onda de protestos, após de meses de calma, muito por causa das medidas tomadas para conter a pandemia da Covid-19, e num momento em que estão agendadas eleições para o parlamento de Hong Kong em setembro, após a ala pró-Pequim ter perdido as eleições locais em 17 dos 18 distritos.

*Com informações da agências internacionais/Plataforma (POR)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui